quarta-feira, 9 de maio de 2018

Málaga e o Caminito d'El Rey I

As ruas de Málaga, em redor da catedral

Se alguém pensar que o sul de Espanha só tem sol e praias, está muito enganado e arrisca-se a perder alguns dos locais mais encantadores que a nossa Europa tem para oferecer.
Málaga situa-se no centro da chamada Costa do Sol e, no verão, está a abarrotar de turistas que se perdem entre a praia da Malagueta e os bares, onde as tapas e as cañas ajudam a suportar o calor abrasador. Há muitos bares agradáveis e com decorações tipicamente andaluzas. Um dos mais conhecidos é o El Pimpi, propriedade desse malaguenho bem conhecido, Antonio Banderas!

El Pimpi, o bar mais icónico...

...tão bonito por fora como por dentro!


Provavelmente, é nesta altura da primavera que é mais agradável visitar esta cidade que tem tanta coisa interessante para conhecer. Para começar, Málaga é uma cidade muito antiga. E todos os povos que por lá passaram deixaram as suas marcas. Foi fundada pelos fenícios, que ali vinham buscar sal, mas tornou-se uma cidade importante no tempo dos romanos. A atestá-lo está o teatro romano, coberto de terra até ao início do século XX, mas hoje completamente recuperado. Acima do teatro, é a Alcazaba muçulmana que nos chama a atenção. Imponente, avançava até ao mar mediterrâneo, quase inexpugnável! 

O Teatro romano coroado pela Alcazaba mourisca


Foi necessária muita ousadia e imaginação para a sua captura pelos cristãos, em 1487, e o feito foi comemorado com a construção de uma magnífica catedral, no espaço anteriormente ocupado pela mesquita. Os malaguenhos chamam-lhe carinhosamente La Manquita, já que uma das suas torres nunca chegou a ser construída.

La Manquita

Pormenor do interior esplendoroso da catedral

Há muitos malaguenhos célebres, como o poeta judeu do século XI Ben Gabirol, mas o mais conhecido é, sem dúvida, Pablo Picasso. A sua cidade natal dedicou-lhe um museu, muito interessante, que segue a sua obra desde os primeiros desenhos até às últimas fases, mais experimentais. Embora não se encontrem aí as obras mais emblemáticas de Picasso, é um museu que vale a pena visitar. Junto à casa onde nasceu, há uma estátua de Picasso, sentado num banco de jardim. Dizem os malaguenhos que os turistas mais distraídos lhe tiram  fotografias pensando tratar-se de Bruce Willis!


Uma visita de estudo no Museu Picasso

Eu e o Bruce Willis... perdão, Picasso!


Será influência de Picasso? A verdade é que a cidade tem uma boa oferta de arte moderna, desde o Thyssen até ao Pompidou-Málaga, junto ao passeio marítimo.

O Passeio Marítimo

O Centro Pompidou-Málaga

Málaga é uma cidade vibrante e agradável, mas os pontos mais fascinantes estão escondidos nos montes que a rodeiam, a norte. Aí, são as formações rochosas que são protagonistas de cenários fantásticos! E os pequenos povoados empoleiram-se no topo dos montes ou escondem-se nos recessos das rochas. São os pueblos blancos, e vale a pena partir à sua descoberta!



Um desses pueblos é Setenil de las Bodegas. Cresceu entalado entre um pequeno rio e as altas paredes de rocha que lhe servem de margens. As casas conquistaram o seu espaço à própria rocha e aninharam-se à sua sombra. E agora passeamos sob um céu de pedra.

Setenil de las Bodegas

A Cueva de la Sombra...

... e a Cueva del Sol

Almoçamos no Bar-Restaurante Dominguez, que entra neste relato de pleno direito pelos belos petiscos que por lá descobrimos. Em especial, o queijo de cabra frito com confitura de ananás, de comer e chorar por mais...

Petiscar à sombra das laranjeiras

O local mais fantástico e icónico, no entanto, fica nos desfiladeiros que bordejam as albufeiras de El Chorro. É o Caminito d'El Rey e merece um post que lhe seja inteiramente dedicado: o próximo post.