quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Caravansary

A Rota da Seda! Um apelo irreprimível a todos os nossos sentidos, a atracção pelo exótico, pelo distante, pelo diferente!
Também é um pretexto para mais uma música que nos leva de viagem. Desta vez, o músico é Kitaro, compositor e multi-instrumentista japonês. que venceu um Grammy em 2001 na categoria New Age. A partir de 1980, produziu várias bandas sonoras para "Silk Road" um série documental japonesa. Dessas músicas, escolhi para partilhar "Caravansary", não só pela beleza da melodia, como também pelas imagens que compõem este pequeno video e que são como pequenos flashes, instantâneos, das diversas cidades e culturas que se sucedem nessa velha Rota da Seda, que mantém todo o seu encanto.


domingo, 2 de janeiro de 2011

Uma Pizza turca na Rota da Seda

Na Idade Média, as comunicações eram difíceis, todos sabemos. Mas a apetência pelos produtos orientais, em especial as sedas, levava os comerciantes a enfrentarem longas viagens, desde a China até à costa do Mar Mediterrâneo, passando pela India, o Paquistão, o Irão e a Turquia – era a Rota da Seda.
Esta longa rota estava bem organizada, com paragens regulares para descanso dos comerciantes e dos seus animais, os caravansarais.


Em Aksaray, pode-se ainda visitar a maior destas estalagens em toda a Ásia Menor, o Sultanhani Kervansaray. Construída em 1229, pelos Turcos Seldjúcidas, é quase uma fortaleza, dividida por espaços com funcionalidades diferentes. Havia uma pequena mesquita, várias câmaras para a pernoita dos viajantes, um largo espaço coberto suportado por colunas e arcos de volta quebrada onde se podiam fazer as trocas de mercadorias e informações. No centro do largo terreiro, o espaço de encontro. Quase consigo ver e ouvir os mercadores daqueles tempos, recostados nos tapetes e almofadas, a saborearem o seu chá enquanto partilhavam as aventuras das suas perigosas jornadas.


Ao fundo do terreiro, o melhor espaço é dedicado aos animais. O enorme compartimento faz lembrar uma catedral gótica, com as cinco naves separadas por arcos em ogiva, e uma pequena cúpula no centro. E parece que foram os mestres que acompanhavam os cruzados cristãos, que levaram para a Europa as novas técnicas construtivas que aqui encontraram.


A uns quarenta quilómetros desta estalagem, quase escondido no meio da zona industrial da cidade turca de Konya, um antigo estábulo da mesma Rota da Seda foi transformado num belíssimo restaurante. O espaço é amplo, decorado com ricos tapetes com os motivos tradicionais. 



O velho espírito da globalização que presidia à Rota da Seda, no entanto, continua presente: comemos pizza turca! Valha-nos o saboroso Kebab que nos apresentaram a seguir, servido num grande e pitoresco prato de ferro! E o delicioso chá turco, para terminar em beleza a refeição!


(Fotografias de FAires)

Diana de Poitiers, Chenonceau e os outros castelos do Loire

Entrada do Castelo de Chenonceau Falar do Vale do Loire remete-nos de uma forma quase imediata para os Castelos do Loire. Não conheço ...