sexta-feira, 8 de junho de 2018

Um fim de semana na Ria de Aveiro


Um moliceiro descansa na margem da ria

Agora que já estamos na primavera (embora às vezes não pareça...), o sol e o céu azul convidam a passear e a estar fora de casa. Uma boa sugestão para um fim de semana é a zona da ria de Aveiro, que tem uma infinidade de ofertas interessantes e muito diversificadas.
O que vou aqui deixar é uma escolha, decerto discutível, dessas ofertas. É a minha escolha, resultante de um fim de semana muito bem passado. A base da estadia foi a Pousada da Ria, com quarto mesmo por cima da água. Não há nada melhor do que acordar e espraiar o olhar naquela imensidão de água, um espelho a refletir o sol da manhã! 


Amanhecer sobre a ria de Aveiro

A minha primeira sugestão é um passeio, sem pressas, ao longo da própria ria, que não é mais do que a foz do rio Vouga, que se alarga, preguiçosamente, ao longo de cerca de 45 quilómetros, como um enorme mar interior. É um reino de biodiversidade, com garças, flamingos e muitas outras aves aquáticas. Há sempre gente a pescar, mas também há gente que se senta nas margens, simplesmente a carregar baterias naquela calmaria.


Pescar... ou simplesmente olhar a água...

A biodiversidade também pode ser apreciada em terra, na reserva natural das Dunas de São Jacinto. Há vários percursos que cruzam o parque, uns mais longos, outros mais curtos. Estão todos bem indicados, com cores diferentes. Também há painéis com a referência aos animais que ali têm o seu habitat, mas são mais esquivos e não se deixam admirar com tanta simplicidade como as árvores. No fim dos trilhos, a recompensa é a chegada à praia, já no oceano atlântico.


O centro de interpretação da Reserva das Dunas de São Jacinto, onde são dadas todas as informações sobre os trilhos a percorrer


Os trilhos cruzam o emaranhado das árvores


Informações sobre a fauna que por ali habita


Do outro lado, a praia e o mar

Se for hora de almoçar, o melhor sítio das redondezas é A Peixaria, em São Jacinto, onde a especialidade é o peixe grelhado. Mas é boa ideia marcar mesa, a fama dos grelhados enche com facilidade este espaço, informal e acessível.
Se é praia que se procura, então a escolha é mais para sul, na Costa Nova. Entalada entre a Ria e o Oceano, esta língua de terra é um regalo para os olhos, com as suas casas pintadas em riscas de cores garridas, azuis, amarelas, vermelhas, verdes. Alguém lhes chamava as casas de pijama, devido às riscas, e o nome cai-lhes bem! Também não faltam restaurantes, mas ainda nenhum me ficou na memória. Provavelmente, haverá bons restaurantes, com uma boa qualidade de serviço, e eu tenho tido pouca sorte!

As casinhas de pijama da Costa Nova


Antigas casas de pescadores, hoje quase todas estão ligadas ao turismo

Não muito longe da Costa Nova, já no concelho de Ílhavo, a minha sugestão é uma visita ao Museu Histórico da Vista Alegre. Todos conhecemos a cerâmica Vista Alegre, mas uma visita a estas instalações é muito mais do que isso: além da história da fábrica, que se mistura com a história da cerâmica, o próprio local tem vários pontos de interesse. 


A entrada do Museu da Vista Alegre

Um dos antigos fornos

A fábrica instalou-se naquela quinta em 1824 mas já aí existia uma capela belíssima, mandada erigir no século XVII, a Capela de Nossa Senhora da Penha de França. Declarada Monumento Nacional em 1910, foi objeto de obras de restauração em 2015 e hoje mostra-se em toda a sua beleza. 


A linda Capela de Nossa Senhora da Penha de França


Pormenor do Altar-mor


De acordo com a lenda, a Senhora da Penha de França mata o lagarto


A sacristia da capela

O espaço da fábrica é muito interessante, já que podemos ver os antigos fornos e apercebermo-nos das técnicas tradicionais de fabrico da cerâmica. Há exposições com objetos e conjuntos de grande beleza. E, no final, podemos comprar uma dessas peças preciosas ou, se a tanto não chegar o orçamento, uma peça mais económica na loja de outlet.


Estão em exposição muitas peças de porcelana aqui fabricadas, das mais antigas...

...às mais modernas.

Todo o espaço fabril foi preservado. Além da fábrica propriamente dita, englobava o bairro operário, a creche, e espaços de sociabilidade, como o teatro, hoje em dia gerido pelo Centro Cultural de Ílhavo. 
O Museu Histórico da Vista Alegre foi premiado, em 2017,  com uma Menção Honrosa pela APOM na categoria Melhor Museu do Ano. Depois de o visitar, percebe-se porquê.


O Teatro, no antigo bairro operário

Andamos aqui à volta de Aveiro, mas é impossível escapar à sua atração. Chamam a Aveiro a Veneza do Norte; eu não gosto muito dessa denominação. Veneza é Veneza e Aveiro é Aveiro e qualquer comparação empobrece a cidade portuguesa, que tem, porém, uma beleza muito particular. Um braço da ria entra pela cidade (ou foi a cidade que o abraçou?), aproveitado, ao longo dos anos, como via de comunicação e transporte de mercadorias. Hoje, essas marcas ainda são visíveis, nos armazéns e fábricas que rodeiam o curso de água. Também aí se vêem as casas das famílias mais ricas, num estilo Arte Nova que nos remete para o início do século XX. 


O edifício da antiga capitania, hoje sede da Assembleia Municipal

As belas casas Arte Nova rodeiam o canal

Atualmente, os reis da ria são os moliceiros pintados de cores alegres e motivos ingénuos, que trocaram o sal, o peixe ou outras mercadorias pelos turistas, como eu, que apenas querem dar um passeio agradável e original.


Os moliceiros cruzam a ria cheios de turistas

As antigas fábricas utilizavam os canais como vias de transporte

No Largo da Praça do Peixe, encontra-se O Bairro, um restaurante imperdível, já que junta a boa comida, apresentada e confecionada de forma moderna, com a melhor tradição gastronómica da região. Assume-se como uma homenagem às pessoas daquele que foi o primeiro bairro de Aveiro, presentes nos individuais que nos dão a conhecer as personagens típicas locais. E mais não digo, o melhor é ir lá experimentar.

O velho bairro, junto à Praça do Peixe

Prometi sugestões para um fim de semana e já sobra pouco tempo. O melhor é esquecer as preocupações dietéticas e utilizá-lo a comer ovos moles...

domingo, 20 de maio de 2018

Málaga e o Caminito d'El-Rey II



Entrada no Caminito: primeiro patamar do passadiço

O Caminito d'El-Rey é um percurso pedestre, localizado nos Montes de Málaga, a norte da cidade. Mas, acima de tudo, é um local de realização pessoal, ou assim eu o senti.
Sendo um percurso linear, que liga as pequenas albufeiras e centrais hidroelétricas de Ardales e El Chorro, tem duas entradas, norte e sul, ambas com bons acessos e parques de estacionamento. No entanto, só se pode aceder ao Caminito pela entrada norte, em Ardales, o que não constitui qualquer problema para quem chega pelo sul, já que há um autocarro que faz serviço de shuttle entre os dois pontos.

O passadiço segue a levada
O acesso ao Caminito propriamente dito não é muito evidente: não há grandes cartazes ou indicações e é fácil passar pela entrada sem dar por isso. Há um caminho mais longo, sempre pela margem do rio Guadalhorce, e um atalho, por dentro de um túnel que tem um pequeno letreiro indicativo. Esse túnel é longo e escuro, e pareceu-me mais perigoso do que o passadiço pendurado no desfiladeiro.


Saída do reservatório de água do Gaitanejo
O passeio, ao longo do rio, é muito agradável e só perto da central hidroelétrica uma barragem no caminho de terra nos indica que estamos a chegar ao troço mais conhecido e esperado.
Paramos aí. Os nossos bilhetes apontam a hora de entrada, mas temos de esperar por outros caminhantes para que, em pequenos grupos, nos sejam dadas as instruções de segurança: capacetes na cabeça, nada nas mãos. Tudo o que cair do passadiço, lá ficará, é estritamente proibido sair do caminho. Ali, na entrada há umas instalações sanitárias. São de aproveitar, porque no Caminito não se pode comer, nem beber, nem satisfazer qualquer outra necessidade fisiológica.


Pequena ponte no desfiladeiro de El Tajo de las Palomas
A propósito de bilhetes, devem comprar-se online, no site do próprio Caminito d'El-Rey, e é melhor comprá-los com bastante antecedência. Quando entrámos, um nosso compatriota que queria entrar também, teve de voltar para trás. É raro haver bilhetes disponíveis no próprio dia.
A partir daquele ponto, entra-se no passadiço que acompanha a levada de água que atravessa os desfiladeiros de Gaitanejos e de los Gaitanes. Inaugurado pelo rei Afonso XIII, em 1921, o passadiço original destinava-se à deslocação dos trabalhadores entre as duas centrais hidroelétricas. O caminho agarra-se às paredes de rocha, verticais e vertiginosas, dos desfiladeiros.


No desfiladeiro de los Gaitanes

Levada e ponte suspensa no desfiladeiro de los Gaitanes

Não posso deixar de pensar nos trabalhadores que ali passavam, em condições muito menos seguras do que as atuais, assim como nas angústias e desastres que por ali aconteceram e que levaram ao encerramento do caminho, em 2000. De vez em quando, uma placa recorda-nos um desses desastres.


Em memória de três jovens que aqui perderam a vida

No espaço de cerca de um quilómetro entre os dois desfiladeiros, há uma casa com um pequeno prado que hoje serve de heliporto e apoio para os caminhantes. De resto, não há vestígios de pessoas, apenas abutres que sobrevoam as rochas, lá no alto.


Um pequeno vale separa os altos desfiladeiros


Dezenas de abutres sobrevoam as escarpas

Hoje, há por ali alpinistas a desafiar as altas paredes do desfiladeiro. Admiro-lhes a coragem. Escalam aquelas rochas, levantadas e enrugadas ao longo de milhões de anos, como nos recordam os fósseis de amonites que surgem nas paredes, mesmo ao nosso lado.


O comboio assoma dos túneis que furam as rochas enrugadas por milhões de anos


Fóssil de amonite com cerca de 25 cm

Depois da pequena ponte suspensa, que treme com os nossos passos, o caminho é ainda longo, até El Chorro, mas já é fácil. Passamos junto dos túneis ainda hoje percorridos pelo comboio que liga Málaga a El Chorro, olhamos para o desfiladeiro que se ergue, imponente, atrás de nós, e sentimos um orgulho qualquer, uma sensação de realização pessoal: sim, eu fiz o Caminito d'El-Rey!


A saída do desfiladeiro: fim do Caminito

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Málaga e o Caminito d'El Rey I

As ruas de Málaga, em redor da catedral

Se alguém pensar que o sul de Espanha só tem sol e praias, está muito enganado e arrisca-se a perder alguns dos locais mais encantadores que a nossa Europa tem para oferecer.
Málaga situa-se no centro da chamada Costa do Sol e, no verão, está a abarrotar de turistas que se perdem entre a praia da Malagueta e os bares, onde as tapas e as cañas ajudam a suportar o calor abrasador. Há muitos bares agradáveis e com decorações tipicamente andaluzas. Um dos mais conhecidos é o El Pimpi, propriedade desse malaguenho bem conhecido, Antonio Banderas!

El Pimpi, o bar mais icónico...

...tão bonito por fora como por dentro!


Provavelmente, é nesta altura da primavera que é mais agradável visitar esta cidade que tem tanta coisa interessante para conhecer. Para começar, Málaga é uma cidade muito antiga. E todos os povos que por lá passaram deixaram as suas marcas. Foi fundada pelos fenícios, que ali vinham buscar sal, mas tornou-se uma cidade importante no tempo dos romanos. A atestá-lo está o teatro romano, coberto de terra até ao início do século XX, mas hoje completamente recuperado. Acima do teatro, é a Alcazaba muçulmana que nos chama a atenção. Imponente, avançava até ao mar mediterrâneo, quase inexpugnável! 

O Teatro romano coroado pela Alcazaba mourisca


Foi necessária muita ousadia e imaginação para a sua captura pelos cristãos, em 1487, e o feito foi comemorado com a construção de uma magnífica catedral, no espaço anteriormente ocupado pela mesquita. Os malaguenhos chamam-lhe carinhosamente La Manquita, já que uma das suas torres nunca chegou a ser construída.

La Manquita

Pormenor do interior esplendoroso da catedral

Há muitos malaguenhos célebres, como o poeta judeu do século XI Ben Gabirol, mas o mais conhecido é, sem dúvida, Pablo Picasso. A sua cidade natal dedicou-lhe um museu, muito interessante, que segue a sua obra desde os primeiros desenhos até às últimas fases, mais experimentais. Embora não se encontrem aí as obras mais emblemáticas de Picasso, é um museu que vale a pena visitar. Junto à casa onde nasceu, há uma estátua de Picasso, sentado num banco de jardim. Dizem os malaguenhos que os turistas mais distraídos lhe tiram  fotografias pensando tratar-se de Bruce Willis!


Uma visita de estudo no Museu Picasso

Eu e o Bruce Willis... perdão, Picasso!


Será influência de Picasso? A verdade é que a cidade tem uma boa oferta de arte moderna, desde o Thyssen até ao Pompidou-Málaga, junto ao passeio marítimo.

O Passeio Marítimo

O Centro Pompidou-Málaga

Málaga é uma cidade vibrante e agradável, mas os pontos mais fascinantes estão escondidos nos montes que a rodeiam, a norte. Aí, são as formações rochosas que são protagonistas de cenários fantásticos! E os pequenos povoados empoleiram-se no topo dos montes ou escondem-se nos recessos das rochas. São os pueblos blancos, e vale a pena partir à sua descoberta!



Um desses pueblos é Setenil de las Bodegas. Cresceu entalado entre um pequeno rio e as altas paredes de rocha que lhe servem de margens. As casas conquistaram o seu espaço à própria rocha e aninharam-se à sua sombra. E agora passeamos sob um céu de pedra.

Setenil de las Bodegas

A Cueva de la Sombra...

... e a Cueva del Sol

Almoçamos no Bar-Restaurante Dominguez, que entra neste relato de pleno direito pelos belos petiscos que por lá descobrimos. Em especial, o queijo de cabra frito com confitura de ananás, de comer e chorar por mais...

Petiscar à sombra das laranjeiras

O local mais fantástico e icónico, no entanto, fica nos desfiladeiros que bordejam as albufeiras de El Chorro. É o Caminito d'El Rey e merece um post que lhe seja inteiramente dedicado: o próximo post.