As minas de sal de Wieliczka



A grande capela de Santa Cunegunda

Reza a lenda que uma princesa húngara, depois conhecida como Santa Cunegunda, teria pedido ao seu pai, como dote, esse bem precioso que se chama sal. Chegada à Polónia para o seu casamento com o rei da Polónia, mandou escavar um buraco num local a sul de Cracóvia e aí se encontrou um anel da princesa, junto a uma mina de sal. A realidade aponta a fundação da cidade para o longínquo ano de 1290, acompanhando o início da exploração das minas de sal mais antigas do mundo, ainda em funcionamento.


O milagre de Santa Cunegunda esculpido pelos mineiros no sal

Ao longo dos séculos, foi crescendo uma rede de cerca de 300 quilómetros de túneis e escadas, com centenas de metros de profundidade. Apenas uma parte é visitável, mas desde sempre atraiu as atenções e as visitas turísticas. Dizem os guias que já Nicolau Copérnico visitou as minas, no século XV...


300 Km de túneis

É interessante saber a história destas velhas minas, é claro, mas o que as torna verdadeiramente extraordinárias é o trabalho, fantástico e original, feito pelos mineiros, ao longo dos anos. Nas paredes dos túneis e galerias foram esculpindo figuras e painéis, que representam reis, santos e duendes, cenas bíblicas e cenas da sua vida quotidiana, tudo esculpido no mesmo sal que passavam os anos a extrair em grandes cilindros, e que fez a riqueza da cidade. Por vezes, o brilho do sal ofusca e dificulta a fotografia, pelo menos com os meus parcos meios...


Um anão mineiro... 




Reconstituições da vida dos mineiros e dos cavalos que com eles trabalhavam

Ao longo da visita, vamos passando por túneis onde se encontram pequenas capelas ou que, de repente, se abrem em grandes espaços abobadados e brilhantes. A maior jóia é a grande capela de Santa Cunegunda, toda esculpida em sal, desde os painéis das paredes aos ladrilhos do chão. Até os grandes candelabros são feitos de gemas de sal. O efeito visual é magnífico e não é de espantar que seja um dos espaços preferidos para celebrar casamentos, na região.


Os candelabros feitos de sal


Um dos painéis esculpidos com cenas bíblicas

Hoje em dia, a produção da mina é diminuta e apenas para produtos de beleza ou recordações, que se vendem na loja de souvenirs, também muitos metros abaixo do solo. E os velhos mineiros, que conhecem a mina como ninguém, trabalham como guias e partilham os seus segredos com os visitantes. Nós agradecemos!


Os antigos mineiros são os atuais guias 

As minas de sal de Wieliczka foram declaradas Património da Humanidade, pela Unesco, desde 1978.

Património da Unesco desde 1978










Mensagens populares deste blogue

Para comer - Dom Lambuças

Uma Rota do Românico

Livros e Viagens - Roma, Exercícios de Reconhecimento